Não Irrite os Recrutadores: 10 Palavras que Podem Levar seu Currículo para o Lixo

E então, quer dizer que o candidato diz que é um profissional responsável no CV? Não diga!

“Responsável” é um dos buzzwords, ou clichés, se preferir, da famosa lista de 10 palavras sem sal e açúcar que muita gente ainda usa no perfil do LinkedIn e nos currículos.

E você deve se preocupar, e muito com essa lista, porque essa opinião quanto a qualidade e pertinência desses termos não é do LinkedIn ou deste pobre escriba que vos fala.

Clique aqui para aprender como fazer seu currículo com base nas modernas práticas do mercado – Checklist grátis com 60 ajustes.

Pelo contrário e mais importante, é de um grupo de profissionais que é muito provavelmente seu público-alvo: os recrutadores.

E vamos ser francos: eles estão cansados, estressados, entediados de tanta mesmice nos currículos.

Alguém do meio já me confidenciou que é mais interessante ler uma lista telefônica (e ajoelhado no milho) que ler muitos currículos por aí, que de tão incompreensíveis e ambíguos, extrapolam o limite da chatice.

E parte da culpa é das buzzwords (ok, de quem as usam sem critério algum).

E por que usamos tantas buzzwords? Listei 3 motivos comuns, mas claro, podemos arrumar tantas motivações para banalidades…

1) Preguiça, juntamente com sua prima, a procrastinação

É fácil pegar os templates de currículos que o pessoal publica e compartilha por aí e aproveitar aquela palavra “chique, que soa inteligente” no nosso currículo.

“Afinal, quem tem tempo sobrando aí para ficar editando currículo, pensando em originalidade, certo?” (ah, mas pergunta daquela série TOP que acabou de sair no NetFlix…).

Principalmente se estamos empregados, ainda que num emprego miserável.

Engraçado, para não dizer trágico, como conseguimos as vezes viver na mediocridade, reclamando do emprego, mas ao mesmo tempo, não tomando a atitude certa no tempo certo.

Aí lá vai o candidato editar o currículo em cima da hora. O resultado é aquele: na pressa, corrigiu dois, três erros e inventou outros dez.

Falta de criatividade

Não estou falando daquela criatividade dos designers que tiram uma obra de arte de um rabisco numa folha de papel ou de uma forma abstrata qualquer.

Falo de um nível de criatividade básico que todos temos, independente da profissão, e que pode ser estimulada através da leitura e escrita relacionadas aos temas de nossa profissão.

Quanto mais somos expostos aos temas de nossa área de atuação e escrevemos, mais versatilidade temos com as palavras, o que facilita nosso processo criativo.

Pressão social – O medo de contrariar 

Achamos por vezes que a forma com que colocamos algo é errada ou menos apropriada simplesmente porque a maioria faz diferente. Você lê alguns currículos por aí e pensa: “se colocam ssim é porque funciona!”.

É a pressão social, bem evidenciada pelo psicólogo social Solomon Asch nos idos anos 50.

Ele conduziu um experimento onde um grupo de pessoas deram uma resposta errada de propósito a um teste bastante simples, ao que outra pessoa, não ciente da situação, preferiu concordar com o grupo.

O surpreendente é que 37 das 50 pessoas, mesmo estão certas do resultado, foram pressionadas socialmente a concordar com a maioria.

Imagino que você está lembrando do seu tempo de escola, quando estava claro que tinha a resposta certa a pergunta do professor, aí é você e mais um contra outros cinquenta que discordam.

O que você faz? Peita a maioria? Não, prefere ficar quietinho, pensando não ser possível que TODO mundo está errado e VOCÊ, certo.

Mas estava, e perdeu a chance de impressionar com sua fenomenal inteligência…ah já passei por isso!

Segue abaixo a lista completa de buzzwords de 2017, publicados pelo LinkedIn com base nos dados brasileiros:

  • Especializado
  • Líder
  • Estratégico
  • Focado
  • Responsável
  • Com experiência
  • Inovador
  • Apaixonado
  • Criativo
  • Excelente

“Ok, então como se livrar das palavras insípidas, que levam os recrutadores a jogarem meu currículo no lixo?”. Ops, pensei que não iria perguntar 🙂

Aqui vai um exercício simples para você:

Pegue seu perfil no LinkedIn e faça uma busca pelas buzzwords listadas acima. Substitua-as por frases e palavras que sejam mais específicas e objetivas, de modo que tenham significado aos olhos dos recrutadores.

Por exemplo:

Peguemos o termo “Especializado” neste exemplo básico e hipotético:

Compare: “Vinicius é Especialista em Programação .NET baseado em C#. “

Com: “Vinicius tem 5 anos de experiência em Programação .NET baseado em C#. “

Agora se coloque no lugar do recrutador ao analisar as duas frases acima.

Veja que na primeira, além de analisar o currículo, você tem que ter o dom sobrenatural de ler mentes, tentar traduzir, adivinhar o que o candidato quis dizer com “ser especialista” (Ok, nossos caros recrutadores têm alguns poderes especiais, mas preferem utilizar para alguma causa nobre).

Afinal, o que significa alguém ser especializado? Ora, você pode ser especializado num nível júnior e num nível sênior, certo?

Um especialista pode ter dois anos de experiência, ou dez, quinze… on não? Logo, ser especialista é relativo. O que vale dizer que aquele candidato, dono da primeira frase, bem… falou, falou e não disse nada.

E cá entre nós, os nossos queridos clientes/recrutadores não têm tempo para gastarem seus preciosos poderes com tamanha insignificância. Não que não quisessem, mas, note: NÃO PRECISAM.

Tem candidatos aos montes por aí, então é mais cômodo ir para o próximo da lista do que gastar seu precioso tempo discutindo ambiguidades.

É amigo, não sei se você se deu conta ainda de quão grande é essa lista de candidatos… tipo aquela lista telefônica que citei no começo no artigo.

Então vamos lá, seja diferente, interessante, cativante… O recrutador NÃO quer jogar o seu currículo no lixo, definitivamente, mas você sabe, você precisa se ajudar.

Artigos que também podem lhe interessar:

Related Posts with Thumbnails

Discussão

  1. Renato
  2. Renato