O que deve entrar na conta ao negociar seu próximo salário – antes que se arrependa

Opa, apareceu uma nova oportunidade na sua empresa atual ou mesmo no mercado de trabalho para ganhar um pouco mais… Seu chefe o chama para conversar e definir sua nova posição tanto quanto a nova remuneração.

Na ânsia de resolver logo o assunto, você corre para acertar com medo de que os planos mudem de um dia para o outro e perca a oportunidade, sem ao menos refletir sobre o assunto.

Além do upgrade na carga de trabalho e responsabilidades (fato), a coisa pode ficar um pouco mais difícil… Sabe quando?

Quando seu chefe AVISA que terá um aumento de certo valor e você, mostrando-se decidido, rapidamente aceita. Ele explica uns valores e descontos aqui e acolá e para não se revelar como desentendido no assunto, você concorda e aceita.

Pronto, este salário vai persegui-lo, isso mesmo, PERSEGUI-LO, tirar-lhe o sono depois que você chegar em casa com a cabeça mais fria e ver o equívoco que cometeu.

Como corrigir? Ora, essa parte é difícil e provavelmente você terá que mostrar seu valor durante um bom tempo (e põe tempo nisso, geralmente) e provar por A mais B que é competente para receber mais. Dinheiro, é claro.

Agora, se você ainda não se decidiu depois de receber uma proposta ou pretende se preparar de antemão antes mesmo de ter uma, sábio és! Aqui vão algumas dicas do Marcelo Cuellar, no blog Na mira do Headhunter, publicado pela Você S/A.

Ele apresenta os temas mais importantes nos quais você deve se preparar, estudar o mercado e sua empresa antes mesmo de se sentar a mesa para negociar salários e benefícios com seu empregador, seja em situação de um novo emprego ou não:

Acordo Coletivo de Trabalho: chamado muitas vezes de Dissídio (que é somente quando não há concordância entre empresa e trabalhadores), pode trazer ajustes ao salário fixo e outros benefícios. Ao mudar de empresa, negociar promoções ou aumentos estabeleça se estas movimentações incluirão ou não possíveis vantagens deste Acordo.

Pacote de remuneração: esqueça considerar somente seu salário fixo mensal. O importante é considerar o pacote de remuneração: salário fixo, benefícios e PLR/bônus.

Impacto do IR (Imposto de Renda): empresas em sua grande maioria das vezes falam em valores de salários brutos. Quer saber quanto realmente sua renda vai mudar com o aumento ou com a promoção? Faças as contas!

Mudança de emprego: em mudança de empresas geralmente o mercado oferece um acréscimo de 15% a 20% em sua remuneração total (isto pode incluir seu bônus/PLR). Obviamente aumentos maiores podem ser obtidos, não há limites! Mas lembre-se: quanto maior for a oferta de uma empresa para juntar-se ao time dela, maiores serão suas exigências de performance e retorno.

Hora de ser promovido: pode parecer óbvio, mas você não tem que ser promovido só porque seu colega de trabalho foi. Serão promovidos mais vezes e mais rapidamente os profissionais que mais trouxerem resultados para a organização.

Crescimento na carreira: crescimento profissional não necessariamente significa ocupar a cadeira do seu chefe. Assumir maior responsabilidade geográfica, ter maior especialização, ou tornar-se referência naquilo que se faz também significam crescimento.

Comparação de salário: não são seus amigos e familiares que devem dizer se você ganha bem ou não. É você que deve conhecer seu valor e chegar nesta conclusão. Busque se apoiar em informações profissionais, como pesquisas salariais e conversas com profissionais de mercado.

Pacote de benefícios: para saber quanto vale seu pacote de benefícios, verifique a possibilidade de incluir dependentes, descontos aplicados pela empresa, co-participações e ganhos no médio prazo (compra com desconto de carro corporativo depois de alguns anos, por exemplo). Mas lembre-se: se você não utiliza e não vai utilizar parte dos benefícios oferecidos, eles não contam no seu pacote de remuneração.

Treinamento não é benefício: MBA, pós-graduação não são benefícios. Empresas disponibilizam políticas de treinamentos com este tipo de subsídio para ter em seu quadro funcionários mais capacitados e qualificados para atender aos interesses da empresa. É claro que estes mesmos interesses poderão ser os seus também, mas veja se este subsídio não limitará sua liberdade de escolha de curso. Benefícios são voltados para você, treinamentos são mistos entre seus interesses e os da organização.

O mercado, principalmente para os profissionais de TI está aquecido, por isso, ter habilidade para negociar dentro dessa temática é algo muito valoroso pois as chances são grandes de que lhe apareça uma nova oportunidade em pouco tempo, ainda que não esteja procurando.

Então, pra que não se ligar nesse assunto desde já? Até porque quando a oportunidade aparece, muitas vezes há urgência em fechar a vaga e o empregador não deve ficar esperando por nossa indecisão.

O que vale é refletir bem, reunir informações, compartilhar com a família, pois tem muita coisa em jogo que deixamos passar na pressa… O preço pode sair caro mais pra frente.

Todos os pontos de discussão acima são de publicação da Você S/A no artigo do Marcelo Cuellar.

Artigos que também podem lhe interessar:

Related Posts with Thumbnails

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *