Bolsas de estudo internacional será opção para estudantes e profissionais de TI

O mundo mudou muito, economicamente falando, nos últimos anos. Quem diria que o Brasil receberia um número cada vez mais crescente de profissionais e estudantes de várias partes do mundo, inclusive vindo de países ricos, para estudar e fincar raízes por aqui?

Este é o lado bom do crescimento econômico. Com certeza há muito menos gente no mundo pensando que nossa capital é Buenos Aires e que vivemos no meio da selva, brincando com macacos. O Brasil aparece para o mundo como uma real opção para pessoas de todas as classes sociais, de todas as partes do mundo.

Mas ao mesmo tempo que isso é maravilhoso, é também assustador, afinal esse pessoal que vem de fora, especialmente o do primeiro mundo, vem com uma bagagem cultural bem maior que a nossa, formados numa cultura educacional de primeira classe e prontos, desde a mais tenra idade, a assumir posição de liderança em nossas empresas. Como concorrer com eles?

Uma das formas de reduzir o gap entre a formação deles e a nossa é fazer uso dos benefícios do programa “Ciência Sem Fronteiras”, lançado pelo Governo Federal. Serão mais de 100 mil bolsas de estudo nas 30 melhores universidades do exterior e, além disso, terá como objetivo atrair pesquisadores estrangeiros para atuarem no Brasil, segundo informa o site Convergência Digital.

Veja mais informações interessantes nos destaques abaixo:

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de TI (Sindpd), Antonio Neto, é conselheiro do CDES e estava presente no lançamento do programa. “Temos lutado intensamente para colocar o país neste rumo. É imprescindível investir em educação e inovação para melhorar a formação dos brasileiros e ser competitivo no mercado mundial. O setor de TI será beneficiado e tem muito a ganhar com esta iniciativa”, avalia Neto.

As formas de distribuição das bolsas devem seguir o seguinte mecanismo:

As bolsas têm previsão de começarem a ser distribuídas em 2012 e os alunos mais bem qualificados no Programa Universidade para Todos (ProUni), no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) terão prioridade para receber o benefício. O programa deve movimentar entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões, sendo que 75% do valor será custeado pelo governo federal e 25% em colaboração com empresas privadas.

Quem se beneficiará das bolsas? Segundo o site…

As bolsas estarão disponíveis para pessoas que frequentam desde o ensino médio até o pós-doutorado e serão administradas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Infelizmente o Brasil sempre acorda tarde para questões relacionadas à Educação. Um dos motivos é que esse tipo de investimento demanda tempo que extrapola mandatos, de modo que quem o faz, não tem o privilégio de colher os frutos de imediato. Sendo assim é mais fácil remendar buracos nas ruas e propagar por aí os “excelentes resultados” nas campanhas.

Mesmo com esses problemas , esperamos que mais ações voltadas a educação sejam tomadas, pois caso contrário, não demorará muito para entregarmos a grande parte das lideranças das nossas empresas para os estrangeiros, cada vez mais ávidos para deixarem seus países em busca de economias promissoras.

E o que eu e você podemos fazer enquanto profissional e estudantes de TI para se preparar contra essa enxurrada de estrangeiros, senão investirmos ainda mais na nossa formação e experiência? Dê sua opinião?

Os detalhes do programa de bolsas foi divulgado pelo site Convergência Digital.

Artigos que também podem lhe interessar:

Related Posts with Thumbnails

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *