Viciado em Internet é considerado doente na China

A China classificou o vício na internet como um problema de order clínica: ou seja, o cidadão é doente mesmo, segundo os chineses. Médicos de Beinjing diagnosticaram problemas psicológicos resultantes das altas cargas horárias frente à internet.

Segundo os médicos, depois de entrevistarem e analisarem as respostas de mais de 1300 “pacientes”, a equipe chegou à conclusão de que é viciado em Internet aquele que apresenta pelo menos três características em comum:

  • passa pelo menos 6 horas por dia on-line na frente do computador;
  • apresenta sinais de irritação quando fica longe do computador;
  • encontra dificuldade para se concentrar ou em dormir.

Porém outras  também foram identificadas entre os pesquisados, como falta de comunicação com familiares, entre outras. As autoridades estimam 4 milhões de pessoas com a doença. Número alto, mesmo levando em consideração que a China tem uma população on-line de 253 milhões de internautas aproximadamente, bem maior que a população do Brasil como um todo.

Bem, o que antes era “culpa” da televisão, agora passou a ser da internet. Dráuzio Varela comentou numa entrevista, dando a seguinte definição ao vício, a qual achei muito esclarecedora:

Creio que podemos definir isso quando uma determinada característica particular do ato, do pensamento, da vontade de um sujeito suplanta qualquer outra alternativa de vida, mesmo aquelas que são classicamente consideradas atividades de prazer. Por exemplo, um viciado em internet nunca deixaria um joguinho online de futebol para ir jogar futebol pessoalmente. Um dependente de drogas não vai fazer sexo sem usar droga. Em suma, é quando um traço particular vence a vontade, a idéia, o desejo, perante qualquer outra atividade que ele possa fazer.

É importante estar atento ao comentário de familiares, pois podemos estar viciados e não perceber o mal que isto está nos causando (opa, melhor eu conversar com minha mulher sobre o asssunto, ehehe). Esse mal (não a internet, o vício) não faz distinção de sexo, idade, cor…portanto criar limites para sí e seus filhos é uma atitude sábia e preserva a saúde. O auto-controle deve ser estimulado  e não é só uma questão pessoal, mas seu nível se mostrará no campo profissional, já que focamos carreira profissional aqui. E disciplina não é opcional para  um profissional de sucesso, concorda?

Que tal gastar alguns segundos a mais e responder à nossa enquete logo abaixo?

[poll id=”2“]

(Veja mais detalhes, em inglês, aqui. Quanto à entrevista de Dráuzio Varela, veja na íntegra aqui.)

Artigos que também podem lhe interessar:

Related Posts with Thumbnails

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *