Ambição é bom para carreira profissional – mas veja se não está exagerando com estas dicas

 

Ambição. Uma qualidade que demonstra força, mas que, em exagero, pode significar o fim. Claro, eu que exagerei agora com esta afirmação. Não o fim, mas resultar em uma carreira profissional recheada de derrapadas e atoladas, ah, isso pode esperar.

Nas empresas, ainda hoje em dia é comum ouvir que fulano é péssimo no trato com colegas, egoísta, ambicioso demais, …mas como tecnicamente o cara é bom, hein! Vale a pena ir deixando-o na empresa, ainda que lá no canto…

Este é o papinho ainda muito popular, mas que vem mudando, pois a situação não se sustenta por muito tempo. O ambicioso ao extremo pensa somente na sua promoção, no seu salário, na sua data de tirar as férias, tudo desprezando todos ao redor…prefere trabalhar sozinho, e quando não, usa as pessoas à sua volta para atingir objetivos estritamente pessoais, para o bem exclusivo de sua carreira.

E aí, não tem quem o aguenta, quem lhe apoia. Outros colegas não se demitem da empresa, se demitem desse cidadão…

Veja abaixo os 6 pontos divulgados pelo site Exame sobre como evitar ser essa pessa na sua empresa. É sempre importante ficar atento a estas dicas pois eu e você, em parte, podemos estar cometendo alguns destes deslizes e despropositadamente (e sem se dar conta) se queimar no ambiente de trabalho:

1 – Arrogância

É o primeiro sinal de alerta, na opinião de Meiry. “Ambição demais leva à arrogância que resulta na criação de uma falsa autoimagem de perfeição”, explica Meiry.

A consequência de se achar melhor do que os colegas é menosprezar toda e qualquer opinião que não seja a sua. “Pensando ser a melhor – a perfeita – a pessoa não ouve os outros e justifica racionalmente suas atitudes quando é chamada de arrogante”, diz Meiry.

Isso acontece, diz a especialista, porque o superambicioso não é capaz de fazer uma autoanálise do seu comportamento por estar apaixonado demais pela imagem que criou dele mesmo.

2 – Atropelar os outros

Para o superambicioso, qualquer um que tenha os mesmo objetivos de carreira é visto como um rival. “Ele não permite que ninguém cresça, quer sempre ser o primeiro a chegar lá”, diz Meiry.

Por isso, é quase impossível, para pessoas que apresentam este tipo de comportamento, valorizar uma opinião que não tenha partido delas próprias. “Há o desrespeito ao ponto de vista das outras pessoas”, explica Telma.

Esta falta de respeito muitas vezes vem acompanhada de agressividade. “Falta articulação em saber lidar com pessoas, o que pode gerar agressividade no tratamento, muitas vezes próxima à intolerância, o que pode gerar conflitos na organização”, diz Telma.

3 – Dificuldade em trabalhar em equipe

Se o outro é encarado como ameaça, o trabalho em equipe é posto de lado uma vez que exige uma atitude colaborativa praticamente ausente em uma pessoa superambiciosa. “O problema é sempre o outro que é considerado burro demais, lerdo demais”, diz Meiry.

Se não há ninguém a sua altura, o profissional prefere sempre trabalhar por si só. “Ele nunca vai ajudar um colega de trabalho, não é solidário e não dispõe de tempo para os outros”, explica Meiry.

4 – Isolamento

É a consequência natural para um profissional que não trabalha em equipe, que é arrogante e que costuma atropelar a opinião de seus colegas de trabalho.

“O superambicioso se dirige para coisas e não para pessoas, suas metas tornam sua visão estreita e objetiva em relação ao que precisa ser conquistado”, diz Telma.

Problemas surgem quando é a vez dele precisar de apoio. “Quem quer ajudar uma pessoa que faz os outros de degrau para subir mais rápido?”, pergunta Meiry.

5 – Aprendizado zero

Sendo ele “melhor” do que todos, é certo que não sobra muito espaço para aprender no ambiente de trabalho. Nas pessoas superambiciosas, falta a humildade necessária para reconhecer o que precisa ser desenvolvido. “Ele não consegue pensar que não sabe de algo, porque não reconhece sua imperfeição”, explica Meiry.

O risco, nesse caso, é manter a mentalidade tão fechada a ponto de prejudicar o seu crescimento profissional. “Uma pessoa assim não abre para o aprendizado e não cresce”, diz Meiry.

6 – Faltar com a ética

A puxada de tapete não é um pressuposto e, sim, de uma possibilidade do comportamento de alguém superambicioso. Pessoas de caráter duvidoso e psicopatas são terreno fértil para a ambição sem limites, explica Meiry.

“É o desvio de caráter que justifica a falta ética”, diz Meiry. Ou seja, prejudicar alguém com objetivo de tirar vantagem é uma atitude que pode aparecer, mas vai depender do caráter.

“Por exemplo, não se pode dizer que todo superambicioso é um psicopata, mas os psicopatas geralmente têm uma ambição maior, e vão fazer de tudo para chegar lá.”, explica.

Não importa sua posição, se chefe ou subordinado, essa questão pode afetar a qualquer um de nós. Pode, aliás, afundar nossa carreira ao nos distanciar das pessoas, afinal ninguém trabalha ou vence sozinho na vida.  É assim que aprendemos a olhar para nós mesmos e fazer os ajustes para estarmos em melhor sintonia com quem trabalhamos.

Ambição é bom, sem ela vivemos na mediocridade da rotina de todos os dias, de todos os anos, sem anda de melhor nem de novo esperar da vida.

Mas tão bom quanto, é saber controlá-la na medida certa, para que ela contamine, sim, mas positivamente as pessoas que nos rodeiam, seja no trabalho ou fora dele. É aí que todo mundo cresce.

As 6 dicas em destaque acima é de publicação do site da Exame.

Artigos que também podem lhe interessar:

Related Posts with Thumbnails

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *